03 novembro, 2007

Congresso de Dança Profética

Por João Wesley Dornellas

Através de e.mail, o Rev. Ronan informou a alguns amigos de todo o Brasil a realização, em Petrópolis, de um Congresso de Dança Profética, promovida pelo Ministério Gênesis de Teatro e Dança Profética da Igreja Metodista de Petrópolis. Ele anexava ao seu e.mail um cartaz do Metanóia, que ilustra esta página, que mais parece propaganda de festa do Halloween, bem como o programa e os objetivos do congresso.
Pelo material anexado, sabe-se que os objetivos são aperfeiçoar os santos para o cumprir da missão e santificar gestos para curar as nações. Antes dos objetivos o folheto explica: “um polvilhar de movimentos inexplicáveis ao entendimento humano, será que alguém consegue decifrar a melodia dançada que sai do nosso corpo?”.
Do Programa, fazem parte, entre outras coisas, workshop de dança, aulas de jazz, aulas de street dance, expressão corporal, etc. Nas oficinas os temas abordados incluem “Qual é o nosso propósito como artista?, “Qual a identidade real do artista?” e “Variedades de formas e ritmos para ganhar almas para Jesus”.
Na abertura, “um espetáculo de teatro e dança intitulado Metanóia. A pessoa responsável é Wandy, Wanderleya de Oliveira, que coloca no folheto que é artista bailarina, DRT-32943/96. (Muito profissional...)
Não estou, com estas informações, fazendo nenhuma propaganda do tal congresso. Pelo contrário, estou fazendo é propaganda contra. Só em conhecer os objetivos do congresso, fica-se arrepiado com tanta desfaçatez. Se a dança “profética” tivesse tanto poder, ou algum poder, ainda se justificaria. Vamos introduzi-la logo, substituir os sermões, o estudo da Bíblia e vamos deixar que os bailarinos dêem conta do recado.
Mas o absurdo maior que vem desse programa é a ênfase no profetismo, do qual a “dança profética” é derivada. Fiz um comentário indignado às pessoas que foram identificadas pelo Rev. Ronan para receber as informações. Logo a seguir, o Bispo Josué Lazier foi curto e rasteiro em seu comentário: “só pode ser brincadeira e de mau gosto!!”. Paulo Ayres deu a sua opinião, absolvendo a dança mas condenando veemente o “profetismo”: “Agora esse negocio de profético é outro papo. Escrevo-lhes, portanto, para dar todo apoio à proposta para o seminário sobre profetismo e sua relação com a liturgia e o mundo do nosso cotidiano - o problema não é a teologia, mas a teologia ruim que prolifera entre os metodistas atualmente. A proposta sobre o seminário vem no momento certo”.
O que aconteceu nestas duas semanas foi a troca de e.mails com pessoas de todo o Brasil, muitos sendo agregadas à lista por pessoas que receberam a primeira comunicação. Foram dezenas de e.mails que, em suas respostas, continham muitas mensagens anteriores. E estabeleceu-se o propósito de termos um seminário sobre profetismo.
Com um grupo tão grande de pessoas participando dessa verdadeira corrente pra frente, bispos Lazier e Paulo Ayres, pastores e leigos de diversos Estados, a discussão prosperou envolvendo grandes temas da Igreja, como vocação pastoral, remuneração pastoral, escola dominical, identidade metodista, etc. Ao mesmo tempo, como que dispersando a idéia original, entraram na discussão outros temas, como reforma agrária, Sem Terra, Che Guevara, etc., com opiniões pessoais sendo discutidas até asperamente. Felizmente, algumas pessoas sentiram que, com esse andar da carruagem, tudo acabaria, como é comum acontecer no Brasil, em pizza. E a nossa Igreja ficaria ainda pior do que já está. E todo esse grupo não está satisfeito com o que nós estamos vendo na Igreja.
Numa mensagem de puro bom senso, Maria Newnun, de Maringá, sugere a criação de uma Rede de Metodistas Confessantes, que pudesse discutir todas as questões importantes de nossa Igreja com “uma agenda mínima, voltada para as questões relativas à identidade metodista bem como a prática missionária.” Ela enviou o seu e.mail à uma hora e quinze da madrugada do dia 2, sexta-feira, recebendo, cinco minutos depois, a primeira mensagem de apoio e já se pode prever que receberá muitas outras. A Internet, quando bem usada, é realmente uma bênção de Deus.
Estão, pois, abertos os trabalhos de um novo tipo de Concílio Geral, um concílio não oficial, digital e realmente participativo, sem cambalachos nem campanhas políticas, ao qual todos são chamados a dar a sua opinião e, quem sabe?, termos num curto tempo reuniões das pessoas que aderirem. O grupo, com idéias divergentes em muitas questões, mas com verdadeiro amor ao Movimento Metodista e à sua identidade de doutrina e prática, certamente vai ter uma atuação bem destacada daqui para a frente, tentando agir como fermento na massa. Deus nos ajude e que o Povo Chamado Metodista no Brasil volte a ser realmente uma Linha de Esplendor sem Fim.

2 Comments:

At novembro 05, 2007, Blogger Francisco Thiago said...

Opinião muito sensata. Já é hora de questionar - e quiça dizer para alguns - o que de fato é o Metodismo e se a Igreja Metodista é Metodista ou alguma outra coisa.

 
At dezembro 09, 2007, Anonymous Anônimo said...

Sr Jão Wesley
Com alegria deixo o meu comentário.
Ler esse texto me faz recordar dos longos papos na época de Vila Isabel sobre fé e religião. Interessante que hoje ao recordar a data da partida de meu filho, lembre do senhor de de D. Alice.
Uma imagem que nunca esquecerei, pois vocês foram os primeiros que vieram correndo me dar um abraço de solidariedade. Obrigada!
Sempre oro por meus amigos e vocês estão nessa hora.
Um beijinho dessa maninha
Eliane Gonçalves

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home